13/01/2010

Governo do Estado Compra Vagas em Escolas de Idiomas

Governo do Estado amplia oferta de cursos extracurriculares de idiomas a 650 mil alunos do Ensino Médio
 
O Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas, que será lançado nesta terça-feira (12/01), atenderá alunos do 2º e 3º ano do  Ensino Médio da rede estadual com cursos de inglês, espanhol  e francês, oferecidos nos CELs e em escolas de idiomas credenciadas pela Secretaria de Educação.  O investimento total estimado é de R$ 296 milhões 
 
O Governo do Estado de São Paulo lança nesta terça-feira (12/01) o Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas , que amplia o ensino gratuito de língua estrangeira (inglês, espanhol e francês) aos alunos matriculados no 2º e no 3º ano do Ensino Médio residentes em cidades com mais de 50 mil habitantes, beneficiando 650 mil estudantes. A partir de 2011, o programa vai atender a todos os estudantes matriculados no 2º ano do Ensino Médio, em todos os municípios do Estado.
 
As aulas serão realizadas nas unidades dos Centros de Estudos de Línguas (CELs) e, caso o número de inscrições ultrapasse a capacidade desses centros, os estudantes poderão ser atendidos em escolas de idiomas particulares credenciadas pela Secretaria de Estado da Educação. O investimento total para o projeto é de R$ 296 milhões, em 2010.
 
"Esses cursos serão oferecidos como um adicional à carga horária regular do currículo. Portanto, não irão substituir o que já é dado em sala de aula, e sim proporcionar aprofundamento nos conteúdos", explica Paulo Renato Souza, secretário de Estado da Educação.
 
Com o Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas, os cursos poderão ser realizados também por intermédio de instituições particulares credenciadas, caso a demanda seja maior que o contingente de vagas oferecidas pelos CELs. Nesse caso, o custo mensal do Estado por aluno será R$ 56,90. Até o ano passado, os alunos estavam sujeitos à disponibilidade de vagas nos CELs próximos às escolas em que estavam matriculados.
 
Os cursos serão realizados em dois módulos (um por semestre), com 40 horas de duração, cada. As inscrições serão abertas a partir de fevereiro. E, assim como já ocorre com todos os idiomas oferecidos nos CELs, os professores dos centros serão capacitados por instituições parceiras da Secretaria. As inscrições para as escolas de idiomas interessadas em participar do programa serão abertas ainda nesta semana, por meio de edital no Diário Oficial do Estado.
 
Curso intensivo de férias
 
As cidades de Jundiaí e Sorocaba foram escolhidas para a primeira etapa do Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas, com um curso intensivo de férias. Mais de mil alunos do 2º e 3º ano do Ensino Médio das duas cidades já se inscreveram para as aulas, que serão realizadas em cinco instituições particulares credenciadas. O curso terá 40 horas de duração e encerramento previsto para fevereiro. 
 
CELs
 
O Centro de Estudos de Línguas (CEL) é uma oportunidade para o estudante da rede estadual aprofundar seus conhecimentos, gratuitamente, em um idioma estrangeiro. O programa também oferece cursos de alemão, japonês e italiano, estes restritos às disponibilidades dos CELs. Nos casos de espanhol, inglês e francês, os alunos poderão se inscrever no Programa de Aperfeiçoamento em Idiomas, independentemente do idioma já fazer parte da grade curricular.
 
Atualmente, a Secretaria mantém 94 Centros de Estudos de Línguas no Estado, sendo 20 no município de São Paulo, 16 na Região Metropolitana e 58 em cidades do interior. Para matricular-se nos programas regulares dos CELs, o aluno deve estar cursando o Ensino Médio ou o Ensino Fundamental, a partir da 6ª série. Em 2009, 53 mil alunos estudaram nos CELs de todo o Estado.
 
Fonte - SEE
 
Acho que algumas questões com relação a compra de vagas em escolas de idiomas precisam ser esclarecidas:
1 - Como se chegou ao valor de R$ 56,90 / aluno / mês?
2 - A dotação orçamentária? Recursos da Educação, daqueles 30%?
3 - Por que apenas um ano de existência para que as escolas de idiomas interessadas possam participar do processo? Por que não cinco anos, não seria mais transparente?
4 - Como será o acompanhamento desses cursos? Sabemos que os cursos de idiomas são cursos livres e portanto não estão sujeitos a supervisão/fiscalização dos sistemas de ensino.
5 - Por que em 2010?